Gandhi disse:

" Há o suficiente no mundo para todas as necessidades humanas. Não há o suficiente para a cobiça humana" - Gandhi

domingo, 18 de abril de 2010

O Lixo

Lixo – Acúmulo de detritos domésticos e industriais não-biodegradáveis na atmosfera, no solo, subsolo e nas águas continentais e marítimas provoca danos ao meio ambiente e doenças nos seres humanos. As substâncias não-biodegradáveis estão presentes em plásticos, produtos de limpeza, tintas e solventes, pesticidas e componentes de produtos eletroeletrônicos. As fraldas descartáveis demoram mais de cinqüenta anos para se decompor, e os plásticos levam de quatro a cinco séculos. Ao longo do tempo, os mares, oceanos e manguezais vêm servindo de depósito para esses resíduos.

LIXO URBANO

É claro que o problema do lixo não é exclusivo das grandes cidades, mas é nelas que ele se torna um grande desafio para as administrações que fazer com as toneladas de lixo que os moradores das cidades colocam diariamente na porta de suas casas? Encontrar a resposta a essa questão seria a solução de um dos maiores problemas urbanos.
O lixo urbano é responsável por vários impactos ambientais. Seus resíduos poluem o solo, as águas e transmitem doenças. Quando incinerado, o lixo emite CO2, que faz aumentar o aquecimento global.
Lixões e aterros sanitários, normalmente localizados na periferia, recebem o lixo das cidades. Ë frequente, porém, pessoas usarem terrenos abandonados ou a própria rua para esse fim. Quase sempre, é nos países subdesenvolvidos que isso acontece. As falhas do sistema de coleta de lixo só vêm agravar a situação.
Os aterros sanitários são locais onde o lixo é enterrado. Nos lixões, ele fica depositado a céu aberto. Essa forma de recolhimento do lixo traz grandes problemas para os habitantes da cidade, como a proliferação de insetos (moscas, baratas) e ratos transmissores de doenças.
Os lixões atraem pessoas menos favorecidas que procuram neles alguns objetos e alimentos que possam aproveitar. Essas pessoas estão sujeitas a contaminação, não só pelo manuseio do lixo, como pela utilização do que nele foi encontrado.
O lixo pode contaminar também o solo e as águas (subterrâneas, rios, lagos, mares). A decomposição da matéria orgânica do lixo produz um resíduo fétido e ácido que polui os solos e as águas: o chorume.
Além do mau cheiro, da poluição visual e da presença de ratos e insetos, os aterros e os lixões trazem outras consequências para as áreas onde estão situados. O chorume e os resíduos sólidos do lixo afetam a saúde da população do entorno, geralmente formada por pessoas de baixa renda.

Nem todos os lixos são iguais

Residências, indústrias, hospitais e usinas nucleares produzem resíduos distintos. Vamos analisar os impactos que eles causam no meio ambiente e as possíveis soluções.
Lixo domiciliar
Contém produtos variados, conforme o poder aquisitivo e o grau de consumo dos moradores locais. O lixo domiciliar, pode ser:
- Orgânico - restos de alimentos cozidos ou não (casca de frutas, verduras, etc.)
- Inorgânico - papel, vidro, latas, alumínio, embalagens descartáveis, plásticos, etc.
No lixo doméstico podemos encontrar produtos que afetam gravemente a saúde humana, como material de limpeza, tintas, baterias de telefone celular, lâmpadas de mercúrio, pilhas, que precisam receber tratamento especial.
Lixo industrial
Formado por resíduos de atividades industriais (incluindo a indústria da construção), esse tipo de lixo é responsável por muitos impactos ambientais. São considerados lixo industrial:
- Produtos químicos, ácidos, mercúrio, chumbo, dióxido de enxofre, gases oxidantes, alcatrão, buteno, benzeno, cloro, agrotóxicos.
- Drogas

Lixo comercial

Formado por resíduos de restaurantes, açougues, lanchonetes, escritórios, lojas, hotéis, etc. Além de alimentos, contém papel, papelão, plástico, embalagens de madeira, vidro, etc.

Lixos que merecem atenção especial

Lixo hospitalar. Formado por resíduos de hospitais: seringas descartáveis, ampolas, curativos, material cirúrgico, restos de laboratório, etc. Podemos considerar nessa categoria resíduos sólidos de clínicas de radioterapia, radiologia, quimioterapia e medicina nuclear.
Lixo publico. Proveniente da limpeza das ruas. Nesse caso, consideramos objetos deixados pelas ruas (carros, pneus, cadeiras, brinquedos, eletrodomésticos), galhos de árvores, detritos de feiras livres, etc.
Lixo atômico. Formado por resíduos de usinas nucleares, com um sistema de coleta seletiva e reciclagem.
Os diferentes materiais encontrados nos lixos (papéis, plásticos, metais, etc.) devem ser separados e encaminhados para reciclagem.
Algumas comunidades optam pela reciclagem, pois a venda do material reciclável pode servir de sustento para muitas pessoas. Os adeptos da reciclagem usam os 4 Rs para defini-la melhor: REDUZIR, racionalizar, reutilizar e reciclar.

Para o problema

Algumas medidas podem ser tomadas para tornar o problema do lixo menos agressivo aos seres humanos e à natureza.
Vejamos, por exemplo, o tratamento que pode ser dado aos detritos orgânicos e inorgânicos dos lixos comercial e residencial.
Os detritos orgânicos podem ser transformados em adubo orgânico ou usados para produzir gás metano. Existem usinas de compostagem, que fazem o processamento do lixo orgânico para esses fins.
Quanto aos detritos inorgânicos, uma ótima solução é a reciclagem. O principal obstáculo para o uso da reciclagem é que ela exige coleta seletiva (produtos separados). E essa forma de coleta aumenta o custo: exige mais caminhões, mais pessoas e mais tempo para o transporte do lixo.
Plásticos, papéis, vidros e latas de alumínio estão entre os materiais recicláveis. As embalagens plásticas de refrigerante, suco e água, chamadas PETs, são extremamente nocivas ao meio ambiente, mas podem ser reaproveitadas
Sem dúvida, o plástico foi o grande vilão do lixo no século XX. Até a sua utilização, o lixo era biodegradável ou reciclável, Urna garrafa plástica demora mais de cem anos para virar pó. Sacos plásticos demoram de trinta a quarenta anos.
Fabricantes de baterias, pilhas e outros materiais tóxicos, nocivos ao meio ambiente, têm se responsabilizado em recolher os produtos com prazo vencido para utilização.
O problema do lixo hospitalar é resolvido com incineração porque esse método evita as contaminações. No entanto, é extremamente poluente. Lança no ar atmosférico uma fumaça tóxica e grande quantidade de cinzas.
O material radioatívo usado em hospitais para tratamento de câncer deve ser lacrado em recipientes de chumbo e enterrado longe de lugares muito habitados.
Em 1987, em Goiânia, a negligência no trato desse tipo de material e o desconhecimento da população causaram uma tragédia que levou à morte várias pessoas e à contaminação de outras, com consequências imprevisíveis. Uma cápsula de césio-137 (radioativo) foi deixada no lixo por um instituto especializado no tratamento de doentes de câncer. Encontrada por um vendedor ambulante em um ferro-velho, a cápsula foi quebrada com a ajuda de marreta. Isso provocou o maior acidente do gênero, no Brasil.
Outro enorme perigo para todas as formas de vida na Terra é o lixo atômico. Os resíduos produzidos pelas usinas nucleares são, geralmente, colocados em caixas de concreto lacradas, que são enterradas ou jogadas ao mar. Os perigos dessa prática estão na provável corrosão das caixas pelas águas marinhas ou no fato de elas serem acidentalmente desenterradas. As consequências seriam as mais trágicas possíveis.
O destino incerto do lixo nuclear no mundo é uma das questões a serem resolvidas no século XXI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário